quinta-feira, janeiro 22, 2009

V

Depois de todo esse acordar eu comecei a sentir um milhao de sentimentos dentro de mim. Meio como se eu tivesse saido do coma e de repente sido jogada no meio de New Delhi. Todos os meus sentidos se acordaram. Todos. E eu queria sentir com todos o tempo todo. E eu exagerei. Fui procurar a verdade em tudo. Meu marido me apoiou o tempo todo. Em tudo. Ainda que toda essa mudança tenha nos feito quase nos separarmos diversas vezes. Por mais dificil que fosse para ele, e para mim, nos sabiamos que do jeito que era antes, nao era possivel. Eu queria me descobrir e para isso tinha que me libertar. É dificil nao virar uma total hedonista no meio a tudo isso, mas tudo bem porque a vida é uma busca.

No meio a todo esse tumulto resolvemos ir para India. Ja tinhamos a passagem, mas como eu tinha passado um mes na Romenia, tinhamos desistido de ir. Haiko, exausto do Phd, e eu nessa busca frenetica, resolvemos que talvez melhor do que sermos coerentes ( e nao gastar mais dinheiro) que talvez fosse melhor irmos juntos a India. E fomos, juntos ao pais da grande espiritualidade ver oque encontravamos.

Encontramos de tudo. O caos de Delhi. Todos os nossos sentidos. O desespero. O momento de enorme interiorizacao. Fomos a capital da Yoga, onde eu nao fiz yoga, e passei mais tempo vivendo o ar da india. Olhando as cores. Sentada a beira do ganges. Desesperada com as buzinas. Conheci Prateek, um brhamane, que me organizou um ritual de purificacao. Conheci Natalie de quem tanto falei. Encontrei o significado da minha grande paixao pelas viagens. Nao como fuga, como um milhao de pessoas teima em achar, mas como encontro. Encontro comigo. Isso que eu sou que nao tem muito a ver com o que o outro ve em mim. Encontro com o outro. Isso que vc é que não tem a ver com o que os seus amigos, familia, amores acham que voce é. Encontro com as outras mil linguagens que consituem a nossa existencia na terra.

E aí encontrei o budismo. Em McLeod. Fizemos aulas de meditacao com SS Dalai Lama. Que apesar de mega pop é uma figura tocante de presença marcante. E o budismo é o caminho do meio. Talvez nao o meu caminho do meio, mas um caminho que começou a me ajudar a encontrar o meu caminho. Esse que eu ainda estou buscando.

2 comentários:

Baxt disse...

"sair do coma e ir parar no meio de Nova Delhi..." Acho que eu sei o que vc quer dizer :)

Julieta de Toledo Piza Falavina disse...

oi barbara!!! pois eh. esse momentos de grande mudancas sao assim meio freneticos. mas faz parte. para "hopefully" irmos aos poucos encontrando o caminho do meio.